quinta-feira, 6 de outubro de 2011

História do iraquiano Emmanuel




Texto de Bruno Ferrari publicado originalmente em Bombou na web

Você pode dizer
Que eu sou um sonhador
Mas eu não sou o único
Eu tenho a esperança de que um dia
você se juntará a nós
E o mundo será um só

Tem gente que não gosta desses momentos “emocionantes” em programas como o X Factor, que têm como objetivo revelar artistas desconhecidos com histórias de vida das mais variadas.

Às vezes a edição exagerada, a música dramática, os jurados forçando a barra para chorar e a supervalorização de um vida pouco convencional irritam um pouco. Poderiam se enquadrar aqui o vendedor de celular Paul Pots, que se revelou um espetacular cantor de ópera. E, claro, a inesquecível Susan Boyle, que encantou o mundo com uma voz bela que contrastava com sua aparência descuidada.

Mas há situações em que não há edição exagerada, música dramática ou jurados ultraemotivos que tirem a grandeza de uma história. A minha única certeza é que se tirassem todos os elementos da cena – o show, a plateia, os jurados e a família – e deixassem apenas o iraquiano Emmanuel contando a sua história, os ouvintes iriam se emocionar da mesma forma. Ainda mais cantando uma música como Imagine, de John Lennon.

0 comentários:

Postar um comentário